sábado, 20 de agosto de 2011

ALITERAÇÃO

O verso é uma vontade de voar.

Santos Dumont, poeta dos ares,
Tal vez tenha composto o grande 
                        Poema humano
Quando sonhou de inventar o avião.
Nunca ninguém deu mais asas à
                              Imaginação,
Nunca ninguém chegou mais perto
                                      De Deus.

Eu que me guio com o remo das rimas,
Que ando sempre à deriva,
Que derivo do sonho,
Ponho meus olhos no infinito
E ao menos nesse momento de silêncio
                                               E grito,
Imito: faço bis ao 14 Bis.

O verso é uma vontade de voar.
O verso é a mais velha vontade de voar.

(Dedicado a Zelito Viana e seu "Bela Noite Para Voar")

(Pedro Ramúcio)

54 comentários:

  1. também admiro Santos Dumont, fiz 2 sonetos pra ele.

    ResponderExcluir
  2. Marcos,
    Grato pela visita...
    Gostei muito do que vi por lá, muito, muito...
    Volte sempre que quiser, e, quando puder, quero conhecer os sonetos pro S. Dumont: estão na "Lira"?...

    Abraço alado,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  3. maravilhoso..
    beijos e obrigada pelo carinho.

    ResponderExcluir
  4. Voar náo é só para os pássaros, beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  5. gosto desse ímpeto de voo do verbo, há que ter mãos aladas


    abração

    ResponderExcluir
  6. planar no silêncio
    verbar em vôo

    gostei muito Pedro

    também faço bis

    abs

    ResponderExcluir
  7. Muito BOM!

    Voar é comigo mesmo. Minha imaginação é acelerada.
    Belo poema! Bis!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  8. Seus versos têm asinhas das mais bonitas. Que doce esse poema, moço.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  9. Amo sentir a energia positiva do seu BLOG! Desejo que a sua semana seja FENOMENAL!!!

    Beijos Av3ssos :-*

    ResponderExcluir
  10. Ing,
    Maravilhoso é merecer você no quintal...
    Obrigado de imenso pela visita, moça sorridente de Sampa. Sua simpatia transborda aqui...

    Abraço dos (m)ares de Minas,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  11. Lisette,
    Decerto que não, voar é para quem sabe sonhar, sonhalizar, buscar cumes nunca dantes alcançados...
    Prazer imenso ter você entre os que me dão a mais alta alegria de voar até este meu pequenino jardim de lembranças...

    Abraço dos (m)ares de Minas,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  12. Daniela,
    Que honra merecer você aqui, amiguinha de Satolep...
    Lindo é receber as pessoas que nos fazem bem à alma, e você é dessas luzes que cruzam nosso caminho, e ele há de ser sempre iluminado...
    Obrigadíssimo pela visita, já brotava saudade no quintal...

    Abraço dos (m)ares de mim de Minas,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  13. Admiro muito Santos Dumont. Os versos são merecidos. Adorei!Deixo um beijo grande e desejo de um ótimo final de semana. Abraço!
    Smareis

    ResponderExcluir
  14. Assis,
    Você aqui o voo faz-se completo, poeta...

    Abraço rasante,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  15. Marcos,
    Se você gostou, faço silêncio...
    Eu que gostei muito de sua visita, de suas palavras, de "seu sol"...

    Abraço averbado,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  16. Mirze,
    Voemos, pois que a vida é um sopro...
    Alegria imensa merecer você aqui, uma honra...

    Abraço alado,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  17. Laríssima,
    Será que é doce morrer no ar? Dissessem-no Caymmi ou Gardel...
    Doce é saber d'ocê entremeio o que semeio aqui, eu que preciso de mãos mágicas - maiores que a primavera - pra seguir semeando, mãos feito as suas: asinhas que tomo emprestadas...

    Abraço te-atral,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  18. Lígia do sul,
    Idem, ibidem, tribidem: recíproca mais verdadeira, lá tô em casa...
    Obrigado de imenso pela visita...

    Abraço trav3sso,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  19. Smareis,
    A semana já começou bem, com você aqui no quintal...
    Santos Dumont é mesmo admirável, amiguinha. Fico feliz que cê tenha gostado da homenagem (sic) que pretendi a ele: oh, meus voos cegos...
    Agradeço imensamente sua visita, só peço que volte sempre que puder e quiser...

    Abraço mineiro,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  20. Belo poema, Pedro.
    Voar em todos os sentidos sempre foi e será a meta mais ambiciosa do homem.
    Parabéns pelo seu voo poético.
    E abração das nuvens branquinhas de Natal.

    ResponderExcluir
  21. "O verso é uma vontade de voar"
    Em rasantes de perder o fôlego ou em flutuações, comendo nuvens...
    É, Pedro... Voar não é só pra quem tem asas, mas, principalmente, pra quem tem alma... Leve, sensível e cheia de combinações com a imensidão e beleza do azul... E tu tens de sobra, querido!!!
    Beijinhos doces como as nuvens de algodão que derretem na boca.

    ResponderExcluir
  22. Paulo,
    Voemos com a poesia, amigo das dunas...
    Voemos pela poesia, meu amigo que ainda não conheço pessoalmente, mas já faz falta entre os meus...
    É bastante bom merecer um voo seu pela aqui, rapaz...

    Abraço dos ares, mares e montanhas de Minas,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  23. Adriana,
    Você que deixa tudo leve, moça sensível de SLZ...
    Por isso voo, vou-me sempre ao "Pólen", em rasantes ou flutuações, e volto sempre altivo e forte, pois lá tem poesia de sobra, lá tem delicadeza pra dar e receber, e eu aprendi, desde que me foram apresentados pelo mágico Roberto Lima, aprendi a apreciar seus escritos (e escritores favoritos, numa dobradinha mais que poética)...

    Abraço das nuvens sem rumo de Minas,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  24. Pedro,

    E me deu tanta vontade de bater as asas,
    aquelas que a gente vezenquando esquece que tem
    aqui dentro, e voar...voar, voar...

    Coisa linda isso meu amigo!

    Um abração dessa amiga de Itanháem, que te tem em grande conta!

    ResponderExcluir
  25. Sil,
    Tipo o céu é o limite, ou deslimite?
    Dizer da alegria que sinto em te receber no quintal, é chover no molhado, ou brilhar no ensolarado, sei lá!
    Só sei que tenho em altíssimas alturas nossa troca de olhares à distância, amiguinha simpática da Pedra Que Chora...
    Obrigado pela presença, por voejar até este pequeno jardim de lembranças e loas que só sei cultivar a várias mãos amigas...

    Abraço de mim de Minas,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  26. Você me deixou um presente valioso, que ficará guardado com carinho. Aqui, encontrei um real amor às letras e uma grande sensibilidade para brincar com as palavras. Não há dúvidas... quem gosta de voar tem espírito poético, aquela vontade de alcançar o inalcançável no real e dele usufruir no imaginário. Assim fez Santos Dumont, à sua maneira. E nos dixou a poesia nas asas reais.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  27. Marilene,
    Valioso presente - e futuro - foi deparar com você lá no PP do Roberto Lima, a dizer do Fagner, ídolo do nosso tempo dos quintais, dos maiores intérpretes que a música já ouviu: daí o 'fagnatismo' que te levei, puro caso de admiração em comum...
    Obrigado por ter aceito e compreendido minha invasão à mineira lá no "Momentos", e por sua presença valiosa aqui nesse pequeno quintal de quimeras...

    Abraço advogando amizade,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  28. Ai que lindo! Como sempre...

    Obrigada pela visita lá no blog!

    Beijos do tamanho de Recife!

    ResponderExcluir
  29. Pedro, que lindo isso: "o verso é a mais velha vontade de voar"...

    eu tenho vontade de voar, muita, muita, muita... ainda bem que existem poetas e seus versos. Poetas como tu.

    um imenso abraço, destas terras/serras do sul

    ResponderExcluir
  30. Bruna,
    Como sempre, você sempre gentil comigo...
    Não tem o que me agradecer, moça sensível do Recife, te visitar é sempre uma alegria imensa recoberta de emoção pelos encontros com a Cigarra...

    Abraço das beiras e eiras do Rio Doce,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  31. caro amigo,
    ninguém tem maior admiração pelos dumont, coutinhos e gusmões da vida do que os poetas. afinal, como bem fazes notar, "o verso é uma vontade de voar". mesmo sabendo que ícaro perdeu as asas...
    um abraço com saudades, poeta de valadares!

    ResponderExcluir
  32. Ah, que coisa encantadora... é verdade, o verso é uma vontade de voar...
    Cara, adorei isso de verdade!
    Lindo post e uma homenagem muito legal!
    Beijokas.

    ResponderExcluir
  33. Andrea,
    Poetas como tu, moça sensível de Caxias do Sul...
    Obrigado pela visita, pelas palavras aladas trazidas a este pequeno jardim de lembranças...

    Abraço à sombra do Ibituruna,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  34. Jorgíssimo,
    Voemos, atiremo-nos pelo espaço afora, sejamos filhos de Ícaro, filhos de Bach, filhos de Brecht, aventureiros sem naus nem bússolas nem astrolábios que não nossa ânsia de navegar (m)ares nunca dantes visitados...
    Valha-nos a poesia desde o primeiro sopro até o derradeiro suspirar, valha-nos essas asas incríveis que os versos trazem...
    Saudades de ver-te pela aqui, bardo de Braga...

    Abraço derivando de Valadares,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  35. Lua Nova,
    Se você gostou, já valeu a pena o esforço dorsal da alma com que se rabiscam versos, já valeu essa postagem à toa intentando alada homenagem...
    Obrigado de imenso pela visita assim recheada de palavras doces, que nem sei se mereço mas careço sempre...

    Abraço válido do vale do Rio Doce,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  36. Karol,
    Só de merecer sua presença no quintal, já pareço um pássaro...
    Saiba, o encanto de cada postagem que é semeada aqui, e acolá, está justamente nessa troca de palavras que nos permitimos, nessa afinidade que vamos nos reservando...
    É sempre uma alegria imensa saber-lhe pelas bandas de cá, não custa repetir e pedir que volte mais e mais...

    Abraço desde Valadares,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  37. Belíssimo, eu também tive vontade de voar...

    A sua alma tem música...

    Beijos Av3ssos!

    ResponderExcluir
  38. Lígia do sul,
    Cê já voa: çê jà vous, seja lá o que isso queira dizer em francês, mademoiselle incrível de Curitiba...

    Abraço do soul de mim,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  39. Olá, feliz com tua visita no "Enttreaspas".
    Que bom que gostou do que leu.´É bom quando encontro pessoas que 'sentem igual'.

    Bem-vindo sempre!
    Beijos meus.

    ResponderExcluir
  40. Bibiana,
    Sim, como não poderia ser de outra forma, o conteúdo do "Enttreaspas", já com Clarice dando as honras da casa, é só de matéria que alimenta e alevanta a alma, e eu fui fisgado à primeira frase...
    E sua visita me deixa feliz também, moça sensível e simpática de Porto Alegre...

    Abraço aspeando amizade,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  41. da rama,
    rabiscador de quimeras...

    te vejo na tertulia, ne?
    esse ano vai ser melhor ainda e vc já faz parte do escrete.

    mande seu fone por email, pra eu te ligar.
    beijao,

    r.

    ResponderExcluir
  42. Betoímã,
    Convocação feita por você tem o mesmo peso que teria ser chamado pelo Telê: tamo dentro...
    Dessa vez prometo até me concentrar...

    Abraço alquimérico,
    da rama.

    ResponderExcluir
  43. Pedro querido!

    Ô coisa boa é a gente receber carinho!!

    Menino, to aqui, quase nova em folha rs, mas tu sabes que a gente enverga mas não quebra.
    Isso se chama vontade de viver até a última gota né?!
    Pedro, to me recuperando direitinho da cirurgia, o que tem sido meu melhor remédio é o carinho dos amigos!
    Você deixou uma dose extra hoje lá em casa, e isso nem tem preço!
    Incrivel como a gente nem precisa conhecer uma pessoa na vida real pra saber o quanto ela é do BEM, o quanto ela transmite coisas boas.
    Assim tu és Pedrim!

    Você me foi um achado!
    Obrigada pelas palavras de carinho, pela amizade que cada dia mais se fazem laços!
    Agora sei porque você é tão querido por todo mundo, e eu me sinto "honrada" em fazer parte dessas pessoas que tu queres tão bem!

    Meu abraço aqui de Itanháem, sempre!

    ResponderExcluir
  44. Sil,
    É isso aí, a gente enverga mas num quebra...
    Carinho faz bem, sim, e, segundo consta, não tem contraindicação: valham-nos os que nos querem bem sempre, faça sol ou faça chuva, faça vento ou calmaria...
    Feliz sempre com sua presença, obrigado pela visita carinhosa, moça 'dura na queda' de Itanhaém...

    Abraço de sol sem praia,
    Pedrim.

    ResponderExcluir
  45. "Que ando sempre à deriva,
    Que derivo do sonho..."

    Lindeza tudo, o sonho, o verso, o poeta que risca o ar de sentimento...

    O sertão continua lá, o mar todavia aqui, e o Ceará a esperar, a viagem de Julho vir...(rimou rsrs) ;-)

    Um beijo mineiro, Pedrim meu querido! ;-)

    ResponderExcluir
  46. Amiguinha,
    Nem tudo saiu conforme o planejado, mas há de vir, moça talentosa de Minas que tá cearense, há de vir...
    Cê é craque com as rimas que fluem de suas mãos, mineiras mãos de versos mil, e eu de minha parte, à parte todos os sonhos e pesadelos (Toda noite peço pesadelos/Pra suportar o próximo dia/Sem sonhar não há castelos/Sem chorar não há alegria//Todo dia ouço assombrações/Próximo à hora do almoço/A fome é a fera dos leões/A fúria é o fundo do poço/... - cometi em algum lugar ou tempo), pelejo com meus riscos e rabiscos, vou velejando por mares ou ares nunca dantes por mim navegados, naufragados...
    Sempre uma alegria imensa merecer você no quintal, por isso peço que volte sempre que puder...

    Abraço valadarense,
    Pedrim.

    ResponderExcluir
  47. "Mineiras mãos de versos mil"

    Se o verso não é pra mim, eu o tomo em derradeiro, eu num sou boa de rima, eu sou boa de esperar... Quem sabe um certo mineiro, arrisca e vem visitar,
    uma moça perdida, entre o sertão e o mar...
    Escreve, garimpa, palpita,
    Nas letras do poetar...rsrs

    Esse negócio de morar no serrado, tá trazendo umas "influença" pra essa mineira, paulista, que hoje tá cearence...rsrs

    Inté, o dia que ocê chegar! ;-)

    ResponderExcluir
  48. Amiguinha in Ceará,
    Às vêis a gente fica num mato sem cachorro, tipo: quem sabe faz a hora, ou quem espera sempre alcança; mas fico com o refrão da canção do prisioneiro de Benvirá, Vandré...
    E fico feliz com sua visita sempre...
    E prometo - quando prometo quase sempre cumpro - uma visita ao sertão, moça de versos mil...

    Abraço de Minas,
    Pedrim.

    ResponderExcluir
  49. Pedro
    Passei para retribuir a visita
    e me encantei por completo.
    Lindo !!


    " O verso é uma
    vontade de voar. "
    Te desejo um final de semana
    repleto de coisas boas

    ResponderExcluir
  50. Hanna,
    Muita gentileza sua vir-me visitar, obrigado pela presença carinhosa...
    Volte sempre que puder, lá também estarei-me...

    Ótimo final de semana a si e aos seus,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  51. Grande homenagem aos Santos, como disse o poeta dos ares

    ResponderExcluir
  52. Sandrio,
    Poucos voaram tanto na imaginação, e realizaram tanto...
    Uma honra imensa merecer sua presença no quintal...

    Abraço da bandas aladas de Minas,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir