quinta-feira, 10 de junho de 2010

FUTEGRAFIA













Em dias de Copa do Mundo, já que o mundo todo estará ligado no evento, posto aqui um sonetinho terçando sobre o esporte das multidões.

Gol é música muda, melodia
Que vemos da arquibancada, encantados.
Futebol! Épico de alva grafia,
Com rimas lidas nos passes trançados.

Posso ouvir, com olhos esverdeados
Que tenho, o que adia minha miopia:
Bola, a que o jogador, pelos gramados,
Firula entre os pés, tecer cantoria.

Ah! Dá na gente vontade de dançar
Quando se lembra dos gols do Pelé
E daqueles que ele marcou ao errar.

Cada drible do Garrincha eu sei que é
Um acorde de canção a ressoar
Em nosso ouvido colado em seu pé.


(Dedicado a Nelson Rodrigues, que via futebol
com os olhos da imaginação)


(Pedro Ramúcio)

25 comentários:

  1. e viva o país do futebol e a sua poesia.
    beijos.

    ResponderExcluir
  2. Que máximo! Difícil de encontrar um poema tão original sobre este tema.

    Beijo, querido!

    ResponderExcluir
  3. Futibool *-* e muita emoçãaaoo !
    cooopaaa *--*

    ResponderExcluir
  4. Nina,
    Viva nóis, então!
    Viva a poesia, a música e o futebol?
    Viva qualquer emoção que nos erice a pele (vixe, ficou parecendo erisipela!!!), que nos erice a cútis (tá só complicando a coisa!!!)...
    Viva a emoção e ponto!!!

    Abraço eriçado,
    Do cio.

    ResponderExcluir
  5. Laríssima,
    Tem um poeta paulistano chamado, ou melhor, que adotou o pseudônimo Glauco Mattoso (glauco-ma), que destarte seja deficiente visual, escreve muitas iluminuras sobre o tema. Vale conferi-lo, moça sensível da Capital!!!
    (Ò, eu não disse nada ainda nem comentei no dia, mas o poema que o Assis lhe dedicou lá no 1001 (que tomara o Roberto seja ouvido virem 2001, 4001...) é pura poesia e inspiração; coisa pra musa de responsa mermo!!!)

    Abraço com um quê de ciúme e inveja (em literatura os sentimentos mais nobres que existem, já ensinara Dru-mundo...):
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  6. Sara,
    Viva a emoção e gol!!!
    Mas saiba que pra o que mais torço é pra merecer você sempre aqui na grande área do Canto Geral, moça lírica das Minas Gerais!!!
    Eu que "preciso poesia, música e futebol", verso da canção "Girassóis", parceria deste mero rabiscador de quimeras com o grande Samuel de Abreu, in Sampa!!! Tem uma versão no youtube, aliás, duas; hay um clipe muy bacana también!!!

    Abraço na versão de imensa amizade,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  7. Vês o futebol com os olhos do gol. A "música muda" que nasce de dribles dissonantes e passes sustenidos.
    Abraço, Poeta!

    ResponderExcluir
  8. com esse soneto todo menino é um rei, e eu que já sonhei ser jogador aterriso neste campo. Mato a saudade no peito, lembra a música, e me sinto coadjuvante principal nesta epopéia. Evoé, grito eu, e vamos de música e futebol.

    abração de comemoração de gol

    ResponderExcluir
  9. Muito lindo!
    Muito lindo!

    "Gol é música muda, melodia"...
    E é a letra também!
    A letra de Pedro...

    Grande abraço@

    ResponderExcluir
  10. Dado,
    Futebol, essa arte que muitos praticam com as mãos, feito fazia um Armando Nogueira, um Nelson Rodrigues, um Roberto Drummond, um Albert Camus, pra citar só os imortais...
    Eu admiro o jogo bem jogado, pouco me importando o resultado final (que é uma derrota? que é uma vitória?), e às vezes me arrisco dentro e fora de campo...
    Saiba que é muito bom ter você na "área", poeta de "minha' Santo Amaro querida...

    Abraço deste craque-perna-de-pau,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  11. Assis,
    Você lembrou o samba do Roberto Ribeiro e me fez lembrar a prece do Vander Lee, que pede no final duma linda canção, "pra viver menino e morrer poeta"...
    Você que sonhou ser jogador de futebol, hoje joga o jogo eterno das palavras encantadas, poeta de Feira, Maradona de Ondina...
    E me dá a grande honra de tabelar aqui comigo, eu mero rabiscador de quimeras, e lá no mileum...

    ResponderExcluir
  12. Ps pro Assis:

    Não poderia deixar de deixar-lhe também um abração de comemoração de gol, desse que o admira muito:
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  13. Zélia,
    Guardai por nós, professora-poeta!!!
    Olhai por nós, professora-poeta!!!

    Grande abraç@o,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  14. acho especialmente insano o preconceito pseudo-intelectual que afasta as manifestações populares (de que o futebol é expressão máxima) das manifestações culturais (de que a poesia é ninfa). sobretudo na europa, intelectual que se preze abomina o desporto, em geral, e o futebol, em particular. mas, pergunto eu, o que aproxima o futebol e a poesia, por exemplo, não será muito mais do que aquilo que os aparta? um e outro são emoção, sensação, relâmpago, génio, fantasia, criatividade, bailado, bola e tinta, certezas e dúvidas, golos e erros, juízos e juízes, relva e papel, homem e... homem...
    um abraço, pedro! belíssima homenagem, a tua!
    p.s. ena, vamos ter aí um confronto fratricida, não? com sorte, portugal e brasil já terão, por essa hora, o passaporte carimbado para a fase seguinte.

    ResponderExcluir
  15. Jorge,
    Portugal versus Brasil, ou vice-versa? Seguindo o rastro do teu raciocínio, que é sempre brilhante, amigo, vejo o embate transportado para o campo de papel, onde poderíamos dispor numa luta literária Camões ante Drummond. Como auferir um vencedor? E por que não medimos assim no desporto, em geral, e no futebol, em particular? Para haver um triunfante será mesmo necessário que sucumba um fracassado na outra extremidade da peleja? Se de dois grandes textos defrontados dos gênios de Drummond e de Camões jamais conseguiríamos afirmar que um é mais elevado que outro, que este sobrepuja aquele, afirmo que numa partida brigada com altivez, afora o resultado numérico, não se poderá apontar um perdedor em detrimento da beleza do espetáculo, quando todos os contendores saem do tablado cobertos de glória, independente de um título de torneio ou de um vice-campeonato, indiferente de uma classificação ou de uma eliminação precoce...
    A grande derrota é não saber perder, poeta...
    E me contento bastante toda vez que vislumbro um pensamento teu, aqui e pelos blogues que percorro, acerca do assunto, tema ou texto alevantado...

    Abraço futebolístico-literário,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  16. Uai, crianças
    Então voltem sempre que tiverem vontade.
    Visitemo-nos em poesia, pois.

    Abraço duplo,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  17. Poema de rara sensibilidade, Pedro.
    Nelson, no céu com seus diamantes, está amando a homenagem.
    Parabéns e grandes gols para a sua poesia-arte.
    Abraços potiguares.

    ResponderExcluir
  18. Paulo,
    Nelson é um dos amores da minha vida eternamente repleta de amantes. Aqui vou cantando-os em feitio de oração, só pra citar Noel Rosa, outra flor desse jardim de homenagens que, com a ajuda de amigos feito você, tento cultivar a várias mãos.
    Obrigado pela presença carinhosa e de confiança que você sempre deixa aqui, poeta poliglota de Natal.

    Abraço poti-mineiro,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  19. Sim, o poema do Assis é lindo de viver, eu gostei tanto... e vi também aqui seus diálogos com a Nina, inclusive nos comentários, e achei uma troca muito, muito bonita. Fico feliz com essas coisas poético-blogueira-amigas.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  20. Laríssima,
    O Assis sabe das coisas, não à toa te escolheu pra musa, ou foi escolhido, sabe-se lá quem manda nos mistérios da poesia...
    Os diálogos aqui trançados são rimas lindas, musa sensível da Capital...
    Bate-papo é comigo mesmo, tenho a língua solta (rs)...

    Abraços do interior do meu interior,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  21. quão belo lirismo, forma estranha de ler o futebol porem marvilhosa, eu que não gosto de futebol até me emociono.

    ResponderExcluir
  22. Sândrio,
    Uai, poeta, se te emocionei já posso pendurar as chuteiras...

    Abraço deste que só gosta de futebol-arte,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  23. Que lindo. Que trabalho legal, Ramúcio...
    Parabéns!
    Abraço
    Bispo Filho

    ResponderExcluir
  24. Bispo,
    Só agora que vim passear pelos fundos do quintal e vejo que ganhei um presentaço de natal que valerá por todo o 2011, sua presença nesse canteirinho de quimera que semeei aqui e sua presença lá no Tertúlia, blogue em que sou viciado...
    A felicidade de te merecer aqui não tem tamanho, rapaz...

    Abraço imenso,
    Ramúcio.

    ResponderExcluir