sábado, 29 de maio de 2010

PASÁRGADA PERDIDA

Cismo que em algum lugar -
Nada se parece mais com um paraíso -
Existe uma Pasárgada perdida
Dando Bandeira pra mim.

(Dedicado a Nina Rizzi)

(Pedro Ramúcio)

46 comentários:

  1. Gosto do jogo das palavras
    "Dando Bandeira pra mim".

    Para mim também, porque Bandeira (Manuel) vale a pena.

    L.B.

    ResponderExcluir
  2. Lídia,
    Ah, o Bandeira! Que bom desfraldar esse poeta do meu peito!
    Que bom receber você aqui, merecer você no Canto Geral, seara que também é sua!

    Abraço poético,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  3. pasárgada perdida, um lugar de nina(r). Canção em dois tempos. faço festa para ti e a inspiração. abraço

    ResponderExcluir
  4. Que me perdoem os patriotas apegados aos símbolos, mas prefiro jurar ao Bandeira do que à bandeira, o que, talvez, expresse a minha forma pessoal de patriotismo, amor à beleza que a nossa língua pode alcançar.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. pedro, endosso as palavras do marcantonio,
    de amor à beleza da língua...

    beleza que encontro também aqui, nos teus versos...é lá nos da nina

    abraço pra ti

    ResponderExcluir
  6. Assis,
    De você vir aqui, a festa está feita! Cada palavra sua é uma canção, poeta, na justa medida da inspiração, na exata leveza da amizade!

    Abraço festivo de amizade,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  7. Oláaa. Obrigada pela sua visita em meu blog.
    Nossa que legal o que encontrei por aqui no seu, 'Pasárgada' foi no inicio desde ano em que li o poema 'vou-me embora para pasárgada' desde então fiquei encucada com este paraíso não tão maravilhoso. Estou te seguindo, volte mais vezes e faça o mesmo. Boa noite

    ResponderExcluir
  8. da rama,
    estivesse eu contigo, hoje, iríamos à waldinelly pra uma pizza com original bem gelada... dois salsichões na brasa no pré... um cafezim no depois, antes de eu ir pro hotel descansar o caveirão, que ningúém é de ferro...
    aliás, falando em café, cê tem café no bule, meu menino.
    bela (e merceida) homenagem à nina rizzi.

    bom demais te ver postando, movimentando o blog.
    beijão procê.

    ResponderExcluir
  9. Marcantônio,
    Juro procê: também sou patriota, mas de suas mesmas forças a-madas...
    Como diria Erasmo, "guerra, mas só se for guerras de amor..."

    Abraço em paz,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  10. Andrea,
    Quisera eu ter a elegância verbo-nominal de Nina Rizzi, toda a intimidade que ela dispõe com os idiomas nato e adotados. Presto-lhe aqui uma simples homenagem, de quem por admiração à primeira lida, lhe dá bem menos do que ela merece. Que valha a intenção, sim, das maiores!
    Por dizer de Bandeira, festejar amizades é a grande bandeira que defenderei pela vida afora!

    Abraço mineiro pra ti,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  11. Vanessa,
    Mas sou tão manso, até que fique bravo...
    Sabe aquela história de dar uma boiada pra não entrar numa briga, eu dou duas. Mas depois que eu entro, saio mais não...
    Mesmo porque a poesia é minha única arma, tiro com que me firo e viro imortal...
    Bom demais merecer você aqui nesse cantinho, moça do Sul...

    Abraço desfraldado,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  12. Viviane,
    Tudo Que se Pode Ler? Vou querer sempre, sou viciado no assunto. O compositor baiano Roberto Mendes, gênio das canções, me chama de comedor de livros: na verdade, não tantos quanto eu gostaria, mas vou desfraldando páginas...
    Uma alegria imensa merecer você aqui neste pequeno jardim de homenagens, volte sempre...

    Abraço mineiro,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  13. Delima,
    Você que tá um menino nessa foto nova, rapaz. Num deu nem pra ampliar. Lembra-me na hora teu "Tango Fantasma", reviro menino também...
    Waldinelly? Passo todo dia na porta várias vezes e toda vez que passo penso em você, poeta! Tô morando pertinho, eu que pensava que nunca sairia da Vila Bretas, tô quase um nômade, sem ir a Paris, feito Manassés...
    Bicho, tenho um orgulho muito grande de merecer seu afeto, sua amizade, seus comentários sempre generosos comigo...
    Este blogue é fruto do seu modo de ser e agir, você que lá atrás me deu o sopro de ânimo pra continuar, e disse que estaria sempre aqui pra me ler...
    Uma pizza com original bem gelada? Estamos nos devendo...

    Admiração garantida,
    Darrama.

    ResponderExcluir
  14. Bravo - palavra em italiano, ragazzo, rss.

    ResponderExcluir
  15. Vanessa,
    Bravíssimo, ragazza piu bella...
    Em italiano! Una pizza de calabresa per favore...

    Abraço mineiro,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  16. Pedro que precisa apenas de três ou quatro palavras pra fazer poema....
    Mas cada palavra escorre delicadeza...
    Beijo

    ResponderExcluir
  17. Mag,
    Delicadeza escorre em cada palavra tua, em cada letrinha mágica que depositas aqui neste cantinho de homenagens e lembranças.
    E eu fico todo feliz com tuas visitas, sabes disso.

    Abraço poético,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  18. Laríssima,
    Bonito é vislumbrar você aqui, moça linda e sensível da Capital. E não dói nada, antes muito pelo contrário...
    Obrigado pelas palavras confiadas a este mero rabiscador de quimeras...

    Abraço do interior do meu interior,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  19. Nossa, em poucas palavras, muito bom! E estou eu aqui estreando entre os amigos do rei...E salve Bandeira e a Nina, que tenho lido e pasmado: dá vida nova às palavras!
    Abraços,
    Tânia

    ResponderExcluir
  20. Tânia,
    Os amigos do Rei? Sou súdito também! Aliás, eu já te sabia lá dos bate-papos, das entrelinhas do "Primeira Pessoa"...
    Honraria maior merecer-te aqui neste pequeno quintal de homenagens...
    Bandeira e Nina: traduzindo, este fã de Ferreira Gullar só anda em boa companhia (rsrs)...
    Agora mais ainda então, moça compenetrada de Soterópolis...

    Abraço poético,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  21. Flor,
    Obrigado, moça-primavera...
    Já me fizeste ter o mapa de Pasárgada com uma só palavra...

    Abraço de Minas,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  22. nossa, meu rapaz, que coisa, que coisa, menino! sabe que hoje eu merecia mesmo teus ramos? que hoje a rua me oferecia um bafo quente vindo não sei de onde, desse meu ser-tão, sabe... eu precisava dos teus ramos, eu precisava da 'nossa' pasárgada e eu precisava dar bandeira (meu guru poético, sabia?)... hoje, já é noite, mas ramos de vida se iluminam, se amanhecem em mim. hoje eu ganhei meu amanhã.

    um beijo, dois beijos.

    ResponderExcluir
  23. Nina,
    Saibas tu uma coisa, moça ciosa das coisas: ao cabo, ao tentar te homenagear, em dedicando-te um poemeto na intenção do Bandeira, fiquei eu o homengeado: ramos de luz no teu doce comentário anoitecido aqui, amanhecido acolá...
    Amanhã EU ganhei o meu hoje...
    Outra coisinha: mereces mais do que te pude ofertar, tu, artesã de tudos...

    Dois abraços pra ti,
    Ramos do cio e musa.

    ResponderExcluir
  24. ó,
    o kledir aderiu ao blogspot. depois cê passa lá pra "desopilar".
    é satisfação garantida ou o seu dinheiro de volta...

    http://blogkledirhome.blogspot.com/

    beijão do
    roberto.

    ResponderExcluir
  25. Roberto,
    Estarei-me lá, poeta.
    Brigado pela dica.
    Verei com o Tim Filho, fera que faz o Valadares Jazz Festival, pra gente trazer o Renato Braz aqui no Valadão. O Atiaia foi reformado ano passado, as preces do Paulim Pedrazul foram ouvidas pelos políticos, esses santos...
    Vai costurando daí...

    Abraço daqui da Marechal, rua da Rodoviária, que te raptou um dia,
    Ramúcio.

    ResponderExcluir
  26. Pedro, lá em Pasárgada "a existência é uma aventura" e percebi que aqui não fico muito pra trás não...
    Esbanjas talento hein mineirinho!!!!!

    Obrigada pela visita e gostei muito do seu palavrear.

    ResponderExcluir
  27. Ale,
    Talento não sei, moça densa de São Paulo...
    Mas uma vontade imensa de palavrear sempre mais, quanto mais eu puder e a tinta pegar...
    Obrigado eu pela visita inesperada, mas volte sempre que tiver vontade...

    Abraço mineirinho,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  28. e pra eu continuar ganhando meu amanhã, e vc o seu hoje, vc foi ellenizado ;)

    beijos.

    ResponderExcluir
  29. conheci a poesia de manuel bandeira já adulto e, já então, a exercer a minha profissão. não havia manual escolar (livro didáctico, dizem vocês desse lado do atlântico, creio) para jovens a iniciar o contacto com a poesia que não trouxesse alguns dos seus poemas. eram especialmente vivos e ricos em aliterações, assonâncias e outros jogos fonéticos, o que, para quem contacta com a arte dos versos em tenra idade, é quase arquetipal. só quando tive a oportunidade de contactar com a sua antologia poética, percebi que havia muito mais para lá daquele contacto superficial que havia efectuado em contexto de sala de aula. daí que entenda que, em alguns comentários, haja quem prefira jurar ao bandeira do que à bandeira :)
    p.s. caro amigo, nina rizzi é uma mulher de sorte. tem os versos de dois grandes poetas dedicados a si. bravo!
    um abraço!

    ResponderExcluir
  30. Juliana,
    "Palavras são erros", já cantara o grande poeta Renato Russo, mas também nossos acertos, concordo disconcordando dele...
    E eu não tenho palavras para agradecer tuas palavras aqui, porém lhas espero outras vezes, moça fotográfica e fotogênica de Soterópolis...

    Abraço poético,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  31. Nina,
    Hoje?
    Esse eterno ganhar...
    Eu, ellenizado: a progredir assim, logo logo este símplice vendedor de zapatos, desfilará por tapetes voadores nunca dantes navegados...

    Abraço ellenista,
    Ramos de voos.

    ResponderExcluir
  32. belo jogo de palavras, bandeira é um magnifico poeta.

    ResponderExcluir
  33. gostei da trova, Pedro!! Mais que necessária homenagem a quem fez tanta pelo poesia brasileira.

    Grande abraço!!

    ResponderExcluir
  34. na pontinha dos pés, que é madrugada - estou sem zapatos - só pra te reler e dizer que a nina merece teus versos lindos!!
    besosssssss

    ResponderExcluir
  35. Jorge,
    Bandeira é desses poetas definitivos, antena da raça. Dono de um lirismo quase corrosivo, beirando mesmo ao sarcasmo, mas bem temperado pela mais fina ironia, essa companheira das melhores companhias. Também, a jurar à bandeira, prefiro eu jurar ao Bandeira, desfraldado para sempre da minha alma, hasteado ad eternum em meu peito; e o Marcantônio foi muito feliz nessa sua colocação.
    E sempre que te leio aqui, lá e acolá, tomo tuas palavras numa ligeira aula e dissertação sobre e pela poesia e toda sorte de arte a que te decidas por discorrer; e saio mais vivo e rico de cada comentário teu, tu, além de excelentíssimo poeta, ensaísta na essência, permite-me que eu to declare, amigo do Minho.
    Nina, de sorte! Sorte a dos poetas, meu caro, sorte deles...

    Abraço mais vivo e rico,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  36. Sara,
    Uai, só isso tudo?
    Você econômica e eu com todo o lucro!
    Obrigado pela visita que me alegra sempre e tanto...

    Abraço com grande zelo,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  37. Sândrio,
    E nesse jogo de palavras, além do Bandeira, que é um craque de rara elegância e leveza, evoco, no título com a segunda linha, o "Paradise Lost" de John Milton, o grande bardo inglês.
    Mas não sou tão bom jogador assim, poeta do 'azul sem cinza'...

    Abraço de Minas,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  38. Adriano,
    Faz-se deveras necessário homenagear o Bandeira, concordo contigo. É o que tentei e venho tentando aqui neste pequeno jardim de lembranças e loas...
    Aliás, mais atrás neste blogue há algumas homenagens ao eterno Drummond. Por acaso, ele é teu parente? A comparar com tudo que vi e li lá no "Natura", deduzo que sim...
    Gostei muito que tenhas vindo passear neste humilde quintal da blogosfera.

    Abraço valadarense,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  39. Líria dos passos livres e leves,
    A Nina merece muito mais, mas se valer a simples intenção da homenagem (apesar de que de escritores bem 'intencionados' as acadimias estão cheias), os versos até que podem ser chamados de lindos, vá lá que não dei tanta bandeira assim...
    Cê sabe a alegria que me dá ao vir aqui, some não, Dama - no bom sentido - do Araguari...

    Abraço grande,
    Ramu-cio.

    ResponderExcluir
  40. Olá!!! Obrigada pela visita. Gostei muito de tudo que vi por aqui!Também teimo com a existência de uma passárgada. Fujo para ela (ainda que em pensamento) todas as vezes que a vida me parece densa demais...
    Quanto ao Roberto Drummond...a paixão é antiga...desde a adolescência. Foi através dos escritos dele que ganhei meu quinhão de encantamento pelos detalhes minúsculos do cotidiano. Ou apenas me reconheci???Sei lá!! O importante é que agora estou fazendo mestrado em literatura estudando O Cheiro de Deus, obra dele.

    Abraços calorosos do sertão norte-mineiro...

    ResponderExcluir
  41. Grato por sua visita em meu blog.

    Muito bons seus poemas
    já estou seguindo...

    um abraço!!

    ResponderExcluir