domingo, 25 de abril de 2010

POEMA nu BLOGUE




















"Este é o poema no blogue
por onde o poeta escuta
se dele falam mal
ou se o amam.
Um poema no blogue
sequioso de comentários?
São nenhum livro velho
e mais nem um livro novo
de um poeta inda mais louco
que a morte que sonhou
e contudo o provoca
a morrer nunca e sempre.
Tantos livros que a vida
empurrou para longe
de mim
mais um poema no blogue
em que o poeta se contempla
e se diz bom-dia
(ensaio de boa-tarde,
variante de boa-noite,
que tudo é a vasta noite
em seus compartimentos
nem sempre respiráveis
e todos habitados
enfim.)
Não me leias se buscas
flamante novidade
ou sopro do Pessoa.
Aquilo que escondo
e o mais que segue explícito
em negros alçapões
são notícias humanas,
simples estar-no-mundo
de um heterônimo-órfão,
um não-estar-estando,
mas de tal jeito urdidos
o roubo e a confissão
que nem distingo eu mesmo
o sentido e o solapado.
Tudo roubado? Nada.
Nada sentido? Tudo.
O blogue pouco cuida
de direitos autorais:
e a paródia mais rica
é um sinal de mais."

(Pedro Ramúcio sobre o Poema-Orelha de CDA)

74 comentários:

  1. da rama,
    ja pesquei neste rio. ja bebi desta água.

    tudo neste blog me toca.
    poema e poeta.
    a poesia.

    abraço domingueiro de quem tá subindo pra construir um bacalhau.
    tá vindo uma penca de amigos pra cá.
    o dia promete.
    meu fígado já tá meio desconfiado. mas to fingindo que a prosa não será com ele.
    um chazinho de boldo em pleno café da manhã?
    ele tá estranhando o mimo...rs
    medicina preventiva.

    R.

    ResponderExcluir
  2. "Não me leias se buscas
    flamante novidade
    ou sopro do Pessoa.
    Aquilo que escondo
    e o mais que segue explícito
    em negros alçapões
    são notícias humanas,
    simples estar-no-mundo
    de um heterônimo-órfão..."

    Ora, aí está toda a verdade! O próprio Pessoa o diria, se tivesse blogue; mais que o génio, postamos a vida. No teu caso, caro Pedro, está lá tudo: o génio e a vida!

    Adorei o teu poema!

    Um abraço desde Braga!

    ResponderExcluir
  3. gostei dos seus ramos. e do rio.

    ah, notícias humanas...
    beijo.

    ResponderExcluir
  4. Leio-te porque busco verdade, e esta vc tem, poeta, e bonita até de se ler.

    Beijo e forte abraço!

    ResponderExcluir
  5. Delima,
    Uma penca de amigos: sempre o vejo asim, rodeados deles, de um cardume deles, e o ciúme deles (rs)...
    E este blogue tomou vida mesmo, quando você começou a frequentá-lo, presidente. Quando você cismou, mineiramente, de dizer de mim aos demais, e agora estou aqui, a colher uma penca de amigos também, por enquanto virtuais, mas, se eu te conheço bem, já-já seremo-nos apresentados num grande sarau e cantoria que você promoverá em BH. Vejo isso na bola de cristal que trago guardada no lado esquerdo do peito, amigo...
    E será que o Drummond (vejo-o mesmo rindo - como na foto acima - dessa minha maluquice de moleque com o poema-orelha dele), será que nosso eterno Drummond se zangaria comigo?
    __ Ramúcio, e agora?

    Bom domingo a todos aí (ao fígado, também),
    Seu amigo darrama...

    ResponderExcluir
  6. Seu Jorge de Braga,
    Pessoa é minha bússola, minha religião, meu talismã poético-estético-e-ético também, meu t-u-d-o enfim...
    E Drummond, de quem solapei seu "Poema-Orelha" para o transformar nesse POEMA nu BLOGUE, considerava Pessoa "simplesmente o maior...", embora cite Camões no flamante verso que lhe surrupiei...
    E como foram contemporâneos, Pessoa e Drummond, fico daqui imaginando-os, se a internet os tivesse alcançado, Jorge, com todo o gênio de que eram dotados, a frequentarem o blogue um do outro. Quantas pérolas não teríamos estampadas na tela de nossos computadores, produzidas pelos dois? E que bate-papos ouviríamos deles, amigo de Braga?
    Por isso esse POEMA nu BLOGUE, de que te trago o verdadeiro sopro drummond(niano):

    POEMA-ORELHA

    Esta é a orelha do livro
    por onde o poeta escuta
    se delem falam mal
    ou se o amam.
    Uma orelha ou uma boca
    sequiosa de palavras?
    São oito livros velhos
    e mais um livro novo
    de um poeta ainda mais velho
    que a vida viveu
    e contudo provoca
    a viver sempre e nunca.
    Oito livros que o tempo
    empurrou para longe
    de mim
    mais um livro sem tempo
    em que o poeta se contempla
    e se diz boa-tarde
    (ensaio de bom-noite,
    variante de bom-dia,
    que tudo é o vasto dia
    em seus compartimentos
    nem sempre respiráveis
    e todos habitados
    enfim.)
    Não me leias se buscas
    flamante novidade
    ou sopro de Camões.
    Aquilo que revelo
    e o mais que segue oculto
    em vítreos alçapões
    são notícias humanas,
    simples estar-no-mundo,
    e brincos de palavra,
    um não-estar-estando,
    mas que tal jeito urdidos
    o jogo e a confissão
    que nem ditongo eu mesmo
    o vivido e o inventado.
    Tudo vivido? Nada.
    Nada vivido? Tudo.
    A orelha pouco explica
    de cuidados terrenos;
    e a poesia mais rica
    é um sinal de menos.

    ((Carlos Drummond de Andrade))

    *

    Abraço poético,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  7. Nina,
    E eu gostei que tenhas aparecido aqui. Já fazias imensa falta, aquela falta pra cartão vermelho: no seu caso sempre azul, ou verde...
    Traga-nos sempre tuas notícias humanas aqui, moça...

    Abraço poético,
    Ramos do cio...

    ResponderExcluir
  8. Laríssima,
    E eu escrevo porque tu me vens sempre ler, em verdade te digo...
    Obrigado pelas palavras sempre gentis comigo, moça de Brasília...

    Abraço mineiro,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  9. Adorei, mas não poderia ser diferente... és bem criativo com as palavras!

    Você me visitou em um dos meus blogs, quando puder visite o outro. Talvez gostarás mais deste.

    Beijos, querido!

    ResponderExcluir
  10. Raquel,
    Convite feito, convite aceito. Lá estarei, moça de Niterói. E volta sempre que desejares, o que mais gosto no Canto Geral é quando a família se junta, e tu já fazes parte dela.
    Obrigado pelas palavrinhas gentis com este pobre rabiscador de quimeras, sonhador em cima de "nuvens sem rumo"...

    Abraço valadarense,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  11. Poema-orelha, sou todo ouvidos. E mais mil e um sentidos para os ramos que derramas em tua ode. Abraço feirense.

    ResponderExcluir
  12. Assis,
    Quando vens trazes uma sinfonia, poeta. Tua orquestra alegra este lugar. Te quero aqui para o próximo POEMA nu BLOGUE. Posso?

    Abraço deste valadarense,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  13. Beleza de Releitura Pedro!

    Tô Drummondeando até...

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  14. Pedrim!

    Se tu não tivesse nascido mineiro, eu te batizava de novo!
    Com água de chuva, bolinhas de jaboticaba, e cheiro de café no bule de ferro, que a vó acabou de passar no fogão á lenha...

    Falar mais o que de seu poema NU? Vestido de Blog? Abençoado por Drummond?

    Amplexos, da Márcia Mineira saudosa as tantas!

    ResponderExcluir
  15. Lindos versos.
    Linda semana!
    Bjins entre sonhos e delírios

    "Mas o abraço era tão apertado,
    tão apertado
    que os corpos eram quase mais que colados.
    Poderia dizer que eram um só."

    ResponderExcluir
  16. António Gedeão escreveu um poema, O Poema do Amor, que começa com " Este é o poema do amor..." Pedro, este teu poema também podeira ter começado assim!

    Beijos
    Laura

    ResponderExcluir
  17. Fouad,
    Drummond(niemos), amigo! Drummond(niemos) sempre! Tô contigo nesse barco pronde a poesia singrar...
    Obrigado pela visita e faze o favor de remar sempre, nem que seja de vez em quando, pelas brandas águas das bandas de cá. Traze de vez em quando, nem que seja de quando em sempre, tuas velas pandas a este pequeno quintal de rimas, braço perdido de algum mar...

    Contudo: abraço de min(as),
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  18. Amiguinha,
    Fogão a lenha, água de chuva, cheiro de café no bule de ferro que a vó acabou de passar: isso era o quintal lá de casa no tempo de eu menino, afora as galinhas ciscando o chão cheio de minha saudade, o pé de manguinha-côco (donde um dia despenquei do último galho, e me esborrachei intacto no solo macio das aventuras de criança), o campinho de futebol improvisado com quatro tijolos marcando os gols no terreiro lotado em dia de clássicos da rua, e outras estorietas impublicáveis num blogue de rapaz sério e tímido como este rabiscador de quimeras...
    E, nessa 'eterna outrora' que vivi, eu, míope, não sabia que minha infância fora tão bonita quanto o poema "Infância" de Drummond...

    Saudade às tantas também,
    Pedrim.

    ResponderExcluir
  19. Reflexos dAlma,
    Um abraço apertado diz tanta coisa, é feito o efeito de um olhar dentro...
    Com efeito, merecer-te aqui é presente-mais-que-perfeito...

    Abraço apertado de poesia,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  20. Laura,
    E recomeçou...
    E vou-me atrás d"O Poema do Amor" de Antônio Gedeão. Por trás do que te encanta há de morar um sítio com uma tabuleta escrito nela 'paraíso', já pelo simples fato de ter-te encantado. Pois que me sinto assim agora, imodéstia à parte...

    Abraço de mim de Minas,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  21. Show!
    Bonito demais! Sou tímida para comentário, mas aqui dentro do peito faço discurso inflamado na direção certeira dos teus belos versos...
    Um forte abraço!

    ResponderExcluir
  22. Pedro e as palavras...e a poesia...até parece fácil de tão bonito que o poema sai sempre...
    Beijo

    ResponderExcluir
  23. Zélia,
    Somos dois tímidos, então (rsrs)! Embora, pró-paradoxalmente, a poesia me tenha deixado mais fora do que dentro do casulo. E tô me acostumando ao burburinho bom dos comentários trocados entre nós, que de certa forma e teor, reunimo-nos em família nos blogues que mutuamente frequentamos...
    Seu discurso é sempre bem-vindo aqui, poeta...

    Abraço mineiro,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  24. Mag,
    Quando eu publicar um livro, você fará o prefácio: sim!
    Venderemos a mancheia! Venderemos a mancheia!
    Suas palavras são selo, obrigado pelo zelo com este pobre rabiscador de quimeras, que já sofria sua ausência aqui.

    Abraço poético,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  25. Lindo Pedro
    Muito bonito mesmo, fiquei tocada.
    Beijos
    Denise

    ResponderExcluir
  26. Denise,
    Tudo o que sopra de Drummond deixa-nos (aos amantes do verbo vivo) tocados mesmo, moça. Em mim, no caso, um tantinho a mais: por isso, esse POEMA solapado...

    Abraço mineiro,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  27. DESPERTOU EM MIM ,ALGO QUE EU NÃO SABIA
    DE RIMAR PALAVRAS,E FAZER POESIAS
    AMEI SEU BLOG...ESTA DE PARÁBENS
    ABRAÇOS GUI.

    ResponderExcluir
  28. Guida,
    A poesia tem esse poder de despertar em nós algo insuspeito até para nós próprios, mas que brilha reluzentemente sem parar, quando descoberto.
    Volta sempre que quiseres, moça de Mairipoã.

    Abraço poético,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  29. *Guida,
    Onde eu falei Mairipoã, escute Mairiporã.

    Abraço de Valadares,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  30. o poeta que nega e que vive assim te vejo, em palavras, quão bom é poder ler poemas como este, a literatura digital agradece.
    sandrio

    ResponderExcluir
  31. Sândrio,
    Poeta, o eterno fingidor: aquele que finge até que finge...
    Bom receber-te aqui neste pequeno quintal de poesia.

    Abraço poético,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  32. ramos do cio,

    notícias humanas: jantes tarde que mais tarde ainda, que aí é cófi breique. ô, tá chivendo no meu sertão, camarada, quer coisa mais linda que meus riozinhos tudos cheios?

    cheiro dos ramos molhados.

    ResponderExcluir
  33. Nina,
    Tudos cheios fica este pequenino quintal de poesia, quando você vem e canta aqui, moça do ser-tão! Chove em cada canteirinho, quando brota a sua presença: verdes que te quero versos pra todo lado, que inspiração pouca é bobagem...

    Detrás do arco-íris,
    Ramos do cio...

    ResponderExcluir
  34. Aqui lê-se boa poesia... gostei!

    Bjs.

    ResponderExcluir
  35. Flor,
    E eu gostei que você tenha vindo ler, pois, para isso plantamos poesia: para a colheita diária de almas poéticas feito a sua, moça. Só para isso plantamo-nos diuturnamente nesse imenso jardim que jaz na blogosfera...

    Abraço do humilde jardineiro,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  36. Olá!
    Obrigado pela visita e pelos comentários...
    Adorei seu espaço e sua bela poeisa, adoro CDA...
    Volte sempre, estarei te seguindo...
    Bjs com carinho
    Mila

    ResponderExcluir
  37. Mila,
    Não tens o que agradecer. Meus comentários são pobres adereços ante a fina estampa de tuas palavras.
    Seguindo-me? Já estou no lucro maior, então, uai!
    Seguir-te-ei também, moça dos versos bonitos!

    Abraço poético,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  38. Primeiro obrigada pelo comentario no meu blog, fico grata!
    Segundo tens um blog muito interresante!
    Adorei o poema *-*

    Parabêns!

    Beijão!

    ResponderExcluir
  39. Fiquei muito feliz com as suas impressões sobre meu texto!

    volte mesmo!
    Abraço cearense, ou seja, bem arrochado! ;)

    ResponderExcluir
  40. ...Que minha solidão me sirva de companhia.
    que eu tenha a coragem de me enfrentar.
    que eu saiba ficar com o nada
    e mesmo assim me sentir
    como se estivesse plena de tudo.

    Clarice Lispector

    Feliz semana com muito amor e paz! M@ria

    ResponderExcluir
  41. Uma (in)confidência, Amigo Pedro: estiveste presente não apenas nos poros do coração. Estiveste (e estás, ainda) materialmente, pois distribuí pelos lugares mais inusitados da escola (uma árvore, uma janela, um caixote, um banco de pedra...) poemas de diversos autores e lá tens o teu, também. Pedro Ramúcio, o poeta, ao lado de Pessoa, Al berto, Cesariny...
    Pois, para quando a reunião desta tertúlia? Combina com o Roberto, sim. Quem sabe eu, a Laura e outros combinamos aquilo que seria, em si mesmo, a mais pura poesia: a reuniãom dos amigos.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  42. ô, jorge...
    meu menino da rama, finalmente começa a andar em boa companhia... rs
    comigo?
    álcool, drogas, mulheres... comidas calóricas... lugares mal-situados... brigas com a polícia... passarinho de uma asa só, a da esquerda...

    e, cê ja viu passarinho de uma asa só levantar vôo?

    mas meu menino da darama, tá voando.
    com as mil...

    asas que a poesia lhe deu.

    esse encontro tá marcado? onde? quando? onde é que eu assino? rs

    ResponderExcluir
  43. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  44. Suri,
    Tu é que tens um blogue muito pulsante, contíguo à poesia. Eu mal lapido meus versos-homenagens, apenas me derramo da rama da minha imaginação, prouvera aos deuses fosse sublime e iluminada ao menos de quando em quando.
    Estarei-me sempre a leer-te, moça dos Goiás de Guimarães!

    Abraço das Geraes,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  45. Jéssica,
    Eu é que fiquei muito feliz em deparar textos como os teus, e ainda poder dar meus pitacos...
    Estarei-me sempre em Jessicalândia, moça do Ceará mais bonito!

    Abraço mineiro, ou seja, bem tímido (rs):
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  46. M@ria,
    Que presente lindo que me trazes: Lispector é quanto admiro na arte d'escrever bem. Leio essa mulher e entonteço...
    Minha semana não poderia começar mais feliz do que com um texto de La Clarice logo na manhã primeira da segunda-feira...

    Ótima semana a ti e aos teus,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  47. Duvido, poeta, que falem mal do seu poema.
    É fina flor da blogosfera.
    Sem espinhos.
    Fucei e gostei daqui.
    Mais vezes voltarei.
    Abraços Gerais.

    ResponderExcluir
  48. Olá Pedro! Muito bom ganhar mais um amigo interessante! Depois volto a explorar com mais calma também. Belas palavras. Um abraço e bom início de semana!

    ResponderExcluir
  49. Jorge,
    Esse pobre rabiscador de quimeras enfim poisou os pés (e a alma) em solo português! Devo-te mil poemas por agradecimento, poeta-amigo de Braga, mas tenho só um gigante OBRIGADO, do tamanho do peito, para oferecer-te em pagamento. E ainda tertuliar ao lado do meu mestre maior, que é o Pessoa, dentre outros gigantes das letras lusitanas! Deus te pague, ò pá!
    Quanto ao sarau para reunirmo-nos todos os que já nos frequentamos pelos blogues entrelaçados diuturnamente por nossas mútuas visitas virtuais, contemos com o Roberto Lima, que é craque das aproximações d'almas e corações. Pouco tenho desse dom, Seu Jorge, tímido que sou demais da conta.
    Mas o Roberto Lima, por seu turno, tem mil compromissos por dia: então teremos que torcer pra que ele arrume um tempinho extra para essa tarefa, que, bem sei, é a cara dele...
    Que virá a calhar o evento, não tenho sombra de nenhuma dúvida! E já nos vejo em plena cantoria, hihi!
    Porquanto sonhemos, amigo! Janeiro (penso como o mês ideal a todos) dirá...

    Abraço e mil obrigados,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  50. Delima,
    A encrenca não começa sem o seu aval: é só você assinar promissória em branco sem data de vencimento.
    Well, foi uma ideia meio maluca que me surgiu ao ver nosso amigo Jorge Pimenta promovendo linda festa entre os seus em torno da poesia. Então, pensei com meus botões: por que não realizamos um sarau/cantoria na sua Belzonte em torno da família de amigos que se frequenta tão assiduamente pelos blogues afins afora-adentro?
    O que você acha? Daria pé, poeta de Pedra Corrida, Valadares, Juiz de Fora, BH, Miami, Nova Iorque e Newark? Pense três vezes antes de dizer sim, viu!

    Abraço do valadão,
    Darrama.

    ResponderExcluir
  51. Paulo,
    A fina flor é merecer-te aqui neste quintalzinho da blogosfera. E o blogue do Roberto Lima não poderia deixar de ser nosso grande atalho poético, ele craque das intersecções.
    Volte sempre que quiseres, poeta. A porta aberta é quem atende em nome da família que se forma aqui, agora ainda mais ao contar com tua especial presença.
    Estarei-me sempre no "Nariz de Defunto" também, que meu faro poético costuma não faiá...

    Abraço mineiro,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  52. Tétis,
    Muito bom é merecer-te aqui numa linda segunda-feira. E muito lindo é teu espaço, bom de respirar e pousar os olhos sem pressa nenhuma, moça de Natal. Obrigado pelo presente de teres vindo ao Canto Geral, hoje mais rico um pouco, com tua passagem de luz e estrelas...
    Volte quando quiseres, tá!

    Abraço poético,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  53. Se não fosse o blog, esvaia-se a comunidade de poemas e prosas.
    A mágica voltaria para dentro da caixa de 7 chaves.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  54. É impossível não amar este poema.
    Pedro, senão fossem os blogues o que seria dos poetas que escrevem e não conseguem ver o seu trabalho em mais lado nenhum?
    E dos leitores que procuram essa tal de poesia?
    Beijos
    Laura

    ResponderExcluir
  55. Márcio,
    Bendita janela que se chama blogue! E você faz crescer a raiz que de aqui se alarga, amigo...

    Abraço de Minas,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  56. Laura,
    D'além e d'aquém-mares, entornemo-nos pelos blogues adentro NuS poemas nossos de cada dia.

    Abraço das Geraes,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  57. Uau quanto talento em uma só pessoa...

    Você escreve poesias até nos comentários.. E parabéns pela poesia adorei o seu jeito de conseguir tanta metáfora em um poesia e ao mesmo tempo ser tão claro. E com relação aos diretos do talento do poeta, tenho de concordar infelizmente blog não garante direitos autorais. Eu por exemplo só publico obras minhas já registradas, por isso que eu não posso postar todos os dias, preciso que saia primeiro o certificado e outro conjunto de obras para que eu lance outro. É uma pena ser um sisitema tão burocrático.

    E adorei sua visita e pode ter certeza que poesia eu garanto já o violão talvez em outro blog.

    Um forte abraço e seja sempre bem-vindo.

    ResponderExcluir
  58. Que cantinho mais interessante...

    Parabéns por tudo que escreves...

    Um abraço....

    ResponderExcluir
  59. Daniel,
    Essa questão de ta-lento me faz lembrar sempre o grande cantor mineiro Tadeu Franco, dono de uma das vozes mais lindas do mundo, que me contou que certa vez perguntaram pra ele se pra fazer sucesso tem que se ter mais talento ou sorte, e ele respondeu assado e assim:
    __ Sorte, não sei. Mas pra fazer sucesso atualmente, em vez de tá-lento, o "artista" tem que tá-rápido...
    Olhemos o pessoal da Bahia com seus 'rebolations' e os 'créus' da vida: mais rrrrrrápido (posto que descartáveis), impossível! E penso cá com meus botões: o que seria de João Gilberto ou Paulinho da Viola, se nascessem necessitando de sobreviver de seus 'talentos' hoje?
    É-me honraria maior merecer-te aqui no Canto Geral, amigo.

    Abraço com o braço do meu violãozinho tanto quanto desafinado,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  60. Zininha,
    Esse cantinho, pequenino grão dentro da imensa blogosfera, só é interessante, como você diz, por estar sempre merecendo o brilho de visitas feito as tuas, sem as quais já estaria fechado pra falência há bastante tempo...
    Obrigado pelo Sol que sempre me trazes para florescer esse jardim de poesia que é todo seu também, amiguinha...

    Abraço poético,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  61. Pedro, estive aqui e achei o seu blog um canto maravilhoso; onde se respira poesia.

    Obrigado pela passagem lá no meu espaço. Voltarei aqui com mais tempo.

    Abraço

    ResponderExcluir
  62. eu andava, andava, não chegava aqui - lia todos os posts, teu poema, a foto do velho poeta, o rio do menino poeta - então me lembrei dum poema que fiz faz tempo e que é a tua cara!!

    pra ti:

    cascata
    líria porto

    debaixo da bica
    uma tina

    dentro da tina
    um menino

    na cara do menino
    o riso

    no riso do menino
    o rio cristalino

    *


    besos

    ResponderExcluir
  63. J. Araújo,
    Então já fazes parte da família que aqui se reúne em torno da poesia, diuturnamente. Sempre que tiveres um tempinho de folga, aparece para as reuniões que nem têm hora marcada: acontecem no instante maior em que, sem combinarem nada, palavra e alma se incorporam num só coração.
    Por isso, traz seu lirismo pra passear sempre aqui, amigo...
    Estarei-me sempre passeando em teu espaço também...

    Abraço das serras de Minas,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  64. Líria Porto-Seguro,
    Lembrou-me uma canção do Vander Lee, grande poeta mineiro (aí de Belzonte), em que ele pede em feitio de oração pra "viver menino e morrer poeta"...
    E quando ganho um verso teu, viro passarinho...

    Abraço de Valadares (do Pico da Ibituruna),
    Menino-passarinho (sem precisar de asa-delta agora)...

    ResponderExcluir
  65. do remo,
    deixa de ser preguiçoso e pára de ficar espichando o efeito do post (long lasting pela propria natureza) e vá tratando de colocar biscoitos frescos na vitrine da padaria.

    senão eu fico de mal.

    abs,
    r.

    ResponderExcluir
  66. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK,
    Não resisti a rir demais do post aí acima, do Roberto...rs

    Pedrim!!

    Postite aguda assumido!!

    Saudades de tu!

    Amplexos pra família toda!

    MMPQHEC...

    ResponderExcluir
  67. Olá Pedro,

    Agradeço demais sua visita, seu comentário e o elogio. Meu ego aceita, e minha modéstia se orgulha ao saber que tu és grande poeta.
    Adorei passar por aqui...
    Voltarei.

    Abraços,

    ResponderExcluir
  68. Dilima,
    Eu tava numa semana louca (dentro de um mês muito louco, ainda que o mais louco de todos seja o calendário comercial de cada ano, amigo), a tentar vender muitos zapatos, amigo, pra sobreviver à concorrência e honrar com os fornecedores. Nem tenho a ambição de ficar rico, sou muito lírico para tal carência em minha alma de pobre mortal.
    Queria mesmo era poder viver de brisa, meu cronista de todo dia, e assim, sim, virar mil vezes mil, um milionário.
    Vou botar o anúncio: "Aluga-se um Mecenas".
    Os biscoitos estão em estoque, a vitrine está vazia por outros motivos.
    E vale ouvir minha meiga amiguinha Márcia logo acima, a se rir de mim, por sua graça: você, finíssima flor do melhor bom-humor...

    Remador de versos e verbos nas horas vagas,
    Darrama.

    *

    Ps: um trechinho procê:

    RIO DESIGUAL

    "Devo sentir que sem ti sou um sofredor
    Devo sonhar que sonhar é substituir a dor
    Devo saber que saber é se enganar
    Devo dizer que calar é consentir sem se contentar
    Devo lutar que não lutar é lutar sem luz
    Devo amar que não amar é carregar de outro jeito a cruz
    Devo sorrir que sem sorrir o rio passa desigual
    Devo cantar que sem cantar o verbo é um numeral
    Devo querer que por querer faço o festival
    Devo erguer que ao erguer passo do passional
    Devo dispor que por dispor dispo sem desvestir
    Devo compor que ao compor parece que eu vou parir
    Devo servir que servir é vir a ser fã do afã do Capinam
    Devo ousar que ousar é ouvir ontem o amanhã
    Devo perder que perder é fonte de encontrar
    Devo temer que temer pois são dois a se admirar
    Devo chorar que chorar é uma oração sem ajoelhar
    Devo orar que orar melhora minha hora de caminhar..."

    (Pedro Ramúcio)

    ResponderExcluir
  69. Márcia,
    Saudade de você também, amiguinha meiga minha...
    E o Roberto é meu guru desde quando eu usava uma parabólica na ponta do nariz, meus óculos de luzentos e tantos graus (manja aquele fundo de garrafa... rs)...
    Esta semana lhe mando o CD pro endereço de Sampa, ok!

    Amplexo mineirim,
    Pedrim.

    ResponderExcluir
  70. Ciça,
    Sejamos paradoxais por dentro sempre. Cá fora a tônica é outra, e coerência e canja de galinha não fazem mal a ninguém...
    Adorei ir e vir você aqui também, moça de Santa Catarina...

    Ótimo domingo a si e aos seus,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  71. só pra te dar um cheiro...

    ah, estou à espera dos tais auto-gols que o delima disse para nos contar...

    besos

    ResponderExcluir
  72. Líria dos versos mais lindos,
    Postarei essa tragicomédia (nós sofre mas nós goza também) assim que me desvencilhar de uns afazeres paralelos à escrita, essa válvula que me move a demover montanhas. Promessa é dívida...
    Obrigado pela visita, poeta.

    Abraço desse vendedor de zapatos e autor de auto-gols e outros atos (in)confessáveis mais:
    Ramúcio.

    ResponderExcluir
  73. Já liguei pra minha mãe, modesabê se ocê enviou minha encomenda...ehehehehehehe

    tô esperando...

    abraços...

    ResponderExcluir
  74. Amiguinha,
    Passou um pouco da minha correria aqui, pra semana as canções estarão nas mãos de sua mãezinha, e nos seus ouvidos também, espero...

    Amplexos de seu amigo,
    Pedrim.

    ResponderExcluir