terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

ANTE O CANTO ANCESTRAL DE FERNANDO BRANT


Amigos, tenho postado pouco. Mas para quebrar o (des)encanto, esta singela homenagem a um dos maiores poetas da canção brasileira:

Ante o canto de Fernando Brant
Eu me encanto bem muito antes
De a primeira sílaba se dar
De o segundo acorde ressoar
Seu canto é ancestral
Ao que a gente se mente
Tão diferente, tão de frente
Pressente nossa vã travessia
Um querer que não nos cabia
Contentamento descontente

Ante o canto de Fernando Brant
Eu me espanto bem muito antes
De a segunda vírgula se dar
De o primeiro verso ressoar
Seu canto é sensual
Alma animal da gente
Tão de frente, tão diferente
Encontra paz na despedida
Um sabor de morte e vida
Severina sorte, San Vicente

(Dedicado a Tadeu Franco, passarim de Itaobim)

(Ramúcio Pêdro)

43 comentários:

  1. Esse encanto que por vir antes leva-nos a pensar que não veio, não vem, é constante e perdura.
    Beijos,

    ResponderExcluir
  2. Tania,
    Seu comentário: pura poesia, lindo jogo com as palavras...
    Obrigado por vir, antes eu já esperava a esperava: pode acreditar...
    Polos poéticos se atraem, e não se traem jamais...

    Abraço de mim de Minas,
    Ramúcio.

    ResponderExcluir
  3. de Brant eu lembro belas letras, um regente de sílabas enluarado de sol,

    abraço saudoso

    ResponderExcluir
  4. Assis,
    Saudade minha de te ler (vou mas não deixo rasto) e de te merecer aqui, rapaz...
    Brant e as belas letras, cê disse tudo...
    Na primeira semana do ano eu passei por Feira de Santana duas vezes: de Salvador até Conceição de Coité, e de Coité até Valença, de onde, de barco, fui conhecer Morro de São Paulo, poeta; mas foi na correria. Da próxima vez marcamos uma prosa boa, combinado?
    Bom demais receber você aqui nesse quintalzim de quimeras, sempre muito bom...

    Abraço grande,
    Ramúcio.

    ResponderExcluir
  5. Brant de "Maria Maria". Descreveu a tantas Marias espalhadas por este mundo a fora. Com zelo e destreza. Mestre nas palavras, letrista vigoroso.
    Um presente essa leitura. Eu conheci na voz de Milton Nascimento. E me curvei diante de tanto profissionalismo. Travessia, "Para Lennon e McCartney", Canção da América, nossa, são muitas para citar.
    Obrigada mais uma vez pela leitura Pedro. Pode demorar, desde que venha assim, em grande estilo. Sempre uma surpresa boa. Uma ótima semana pra ti, poeta.

    ResponderExcluir
  6. que o menino pega dois passarins duma veizada! aprecias o tadeu franco de um tanto, né? que nem eu...
    besos

    ResponderExcluir
  7. Pedrim,

    Vim agradecer a "aparição súbita" em meu blog...rs - Lá deixei coments...

    "Tão de frente, tão diferente
    Encontra paz na despedida
    Um sabor de morte e vida
    Severina sorte, San Vicente"

    Dizer mais o quê? Senão que adorei!

    Um abraço, com sorriso...

    Má de Minas Gerais :-)

    ResponderExcluir
  8. De volta a brincar com as palavras....:)
    Bj

    ResponderExcluir
  9. Joii,
    Brant é mesmo mestre com as palavras, letrista vigoroso como você ressalva. Sou fã de ser fã dele, e fã de quem é fã também. Com Milton, Brant forma uma dupla musical de causar inveja a Lennon e McCartney. São tantas canções inesquecíveis, inquestionáveis, irretocáveis, indispensáveis e tantos outros 'veis' vezes mais, infinitamente...
    Eu lhe agradeço imensamente pela leitura tão carinhosa e pelo comentário, idem, deixado aqui. Assim, escrever vale a pena, ou as teclas, pra mim que já me rendi ao computador...
    Surpresa boa é merecer uma visita sua aqui no Canto Geral, este pequeno jardim de lembranças...

    Abraço mineiro,
    Ramúcio Pêdro.

    ResponderExcluir
  10. Líria,
    Tadeu é paixão das antigas, um passarim de Itaobim. "Alma Animal", canção com letra de Brant, dá nome ao segundo disco do Tadeu, e é uma das minhas preferidas do repertório dele...
    De uma veizada três passarinhos, uai, já que você também pássara por aqui, pra minha honra e fé...

    Abraço mineiríssimo,
    Das ramas.

    ResponderExcluir
  11. Ingrid,
    Que bom que você gostou de minha escolha, de meu homenageado (sic)...
    Sempre que você vem, é festa neste pequeno jardim de lembranças, que fica mais florido e risonho porque você veio...

    Abraço daqui do interior,
    Pêdro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  12. Márcia,
    Uai, o tempo tá passando muito rapidamente de uns tempos pra cá. No Ceará está assim também?
    Saudade de prosear com cê, sô! Vamos nos revendo aos poucos, mas muito!
    Vou lá ler o comentário, serei todo olhos e ouvidos: veja lá, hein!

    Abraço das Minas nossas,
    Pedrim.

    ResponderExcluir
  13. Herculano,
    Sempre uma honra receber você aqui no Canto Geral, que bom que Brant te trouxe. Sou fã de vocês dois, e nem preciso fazer de conta...

    Abraço pra Santo Amaro,
    Ramúcio.

    ResponderExcluir
  14. Mag,
    O melhor desta brincadeira é merecer você outra vez aqui, o resto são sombras de árvores alheias...

    Abraço nunca alheio,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  15. Saudade desses seus versos tão gostosos de ler.

    Beijinho.

    ResponderExcluir
  16. Laríssima,
    Saudade de ser lido por você, moça sensível e gentil da Capital...
    Obrigado de imenso pela visita, pelo carinho; faz sol quando você vem ao Canto Geral, pequeno jardim de lembranças que só sei cultivar a várias mãos...
    Sinto saudade de te ler também: mato-a num já-já, como diria o grande Rosa, flor que um dia ainda terei a ousadia de semear uns botõezinhos em intenção dele aqui...

    Abraço florindo de amizade,
    Ramúcio.

    ResponderExcluir
  17. Pedro, querido,

    Vc me fez buscar, lá no cantinho do coração, a juventude. De todas as Marias, essa é que me da mais saudade. Coisa boa essa de viver simples, em paz, não?
    Bj enorme, poeta!

    Eu choro de cara suja
    Meu papagaio o vento carregou
    E lá se foi pra nunca mais
    Linha nova que pai comprou
    Dança Maria Maria
    Lança seu corpo jovem pelo ar
    Ela já vem, ela virá
    Solidária nos ajudar
    Não fique triste menino
    A linha é tão fácil de arranjar
    Venha aqui, venha escolher
    Papagaio de toda cor
    A casa estava escura
    No vento forte a chuva desabou
    A luz não vem, eu aqui estou
    A rezar na escuridão, e só
    Venho do vento da noit
    Na luz do novo dia cantarei
    Brilha o sol, brilha lua
    Brilha a vida de quem dançar

    ResponderExcluir
  18. Pedro, esses teus versos traduzem a grandeza da obra de Fernando Brant.
    Parabéns pela homenagem.
    E pelo poema.
    Grande Pedro, grande Fernando.
    Abraço, poeta das Gerais.

    ResponderExcluir
  19. Ira,
    Também, eu, quando escuto essa canção, disparo a pensar em coisas simples e boas, coisas que valem e fazem valer a pena muitas outras coisas: sabor de amizade, de zelo...
    As canções têm este poder mágico, o de transformar tudo em fardo leve, e Maria Solidária é sob medida, viajo através dela...
    Bela lembrança, compositora que conhece o veio das canções, a veia que vai à alma...
    Sempre uma festa te merecer neste nosso quintalzim de quimeras, cê já sabe disso...

    Abraço só se for solidário,
    Pêdro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  20. Paulo
    É sempre uma alegria do tamanho de um trem merecer você aqui, rapaz...
    E pra falar da mais pura delícia que tem nos versos de Brant, o papo fica pra lá de bão...
    Fico feliz que você tenha gostado de minha singela lembrança da verdadeira grandeza da obra do Fernando Brant, poeta, sim, de primeiríssima grandeza...
    Obrigado pela visita mais que especial, espacial mesma, poeta das dunas...

    Abraço guardado do lado esquerdo do peito,
    Pêdro.

    ResponderExcluir
  21. Que passeio gostoso eu fiz ao visitar teu blog Ramúncio...É maravilhoso se deparar com palavras que conseguem nos tocar. É uma sensação de querer ficar abraçado com quem se gosta por muito ainda e ter que partir... O prazer foi meu por me proporcionar conhecer mais esse cantinho! Abraço.

    ResponderExcluir
  22. Carla,
    Tocado fico eu com tuas palavrinhas doces e cheínhas de um querer-bem, moça simpática da cidade mineira dos zapatos...
    E ficou uma sensação de querer que você volte outra hora, venha mais vezes ao blogue, este pequeno jardim de lembranças que só posso cultivar a várias mãos. Empresta-me as tuas vez em quando?
    Honraria maior merecer tua visita, tenhas certeza, neste domingo nublado e quente de Valadares...

    Abraço deste que vive de vender zapatos,
    Ramúcio.

    ResponderExcluir
  23. Adoro ler aqueles que já sou encantada pela escrita.

    http://vemcaluisa.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  24. amigo pedro,
    que saudades de uma visita aqui ao canto geral.
    o verdadeiro presente é mesmo o momento em que te fazes presente, esse instante em que eternizas a escrita no código maior do ser humano: a amizade!
    um forte abraço!

    ResponderExcluir
  25. Vanessa,
    Também sou encantado pela escrita daqueles...
    Grato de imenso pela visita maior, moça sensível in Rio...

    Abraço mineiro,
    Ramúcio.

    ResponderExcluir
  26. Jorge,
    Só pra lembrar do nosso Pessoa:

    "E se o futuro é já presente
    na visão de quem sabe ver,
    convoca aqui eternamente
    os que hão-de ser!"

    Na amizade, amigo do Minho, o passado está no futuro, e o futuro sempre presente, pressente-o nossos corações...
    Usando uma expressão do nosso amigo Roberto Lima dos Estados Unidos de Minas Gerais, a quem vez por outras copio, indisfarçadamente, fecho assim o comentário:

    Amizade garantida,
    Pedro Ramúcio.

    pêésse: disponha sempre.

    ResponderExcluir
  27. Será um imenso prazer ter minhas palavras aqui... sinta-se a vontade! Abraço.

    ResponderExcluir
  28. Carla,
    Visitemo-nos sempre em poesia, então, moça sensível e simpática das Minas Gerais, pois tudo vale a pena quando a alma não é pequena, já dizia o poeta com cachoeiras de razão...

    Abraço poético,
    Ramúcio.

    ResponderExcluir
  29. Oi Pedro,

    Adoro 'voar' nesse seu jardim poético, aqui existe um perfume delicioso de ótimas inspirações!

    Beijos Av3ssos,
    Lígia

    ResponderExcluir
  30. Lindo, lindo!
    Puro encantamento...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  31. Obrigada por ter gostado de minhas palavras.
    E também por "seguir minha canção" hehehe (:
    Fico feliz quando leio isso das pessoas.
    Estou te seguindo também.
    Fique com Deus (:

    ResponderExcluir
  32. Lígia,
    É sempre uma alegria receber você aqui, merecer seus voos neste nosso pequeno jardim que só sabe ser cultivado a várias mãos amigas, amiguinha minha de Curitiba...
    Com muita alegria, voo-me sempre por seu Pensando às Av3ssas também...

    Abraço av3sso,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  33. Zélia,
    Encantado fico eu sempre que mereço (nem sei se mereço, mas quero sempre) uma visita linda sua, aqui neste quintalzinho de quimeras que é o Canto Geral. Cada palavra sua destila sílabas de delicadeza, essa infinita forma de poetizar o mundo, de tornar o mundo mais amigo e próximo...
    Já disse, mas nunca é muito repetir, que sou fã de ser fã de você...

    Abraço guardado no lado esquerdo do peito,
    Ramúcio.

    ResponderExcluir
  34. Natalia,
    Gostei de cara do nome do seu blogue, imensamente, e lá estarei-me sempre seguindo sua canção...
    Não sei no seu caso, mas o nome deste quintalzim de quimeras, o Canto GERAL DO Brasil, foi inspirado em Vandré, em suas flores de luta por justiça que não murcharão jamais, enquanto seguirmos o refrão que diz que esperar não é saber...
    Obrigado pela visita, moça ssensível e simpática de Limeira, e volte sempre que tiver vontade: a casa é sua...

    Abraço mineiro,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  35. Da Rama,

    Coloquei Travessia do Brant e Milton lá na radiola da Tertúlia, chega lá pra dar uma escutada meu mano velho!

    forte abraço.
    ft

    ResponderExcluir
  36. Fouad,
    Fui lá e ouvi, sim, rapaz...
    Aproveitei a empreitada poética e visitei sua outra casa e viouvi coisas de muita beleza e bom-gosto por lá, inté uma parceria de Zé Renato e Fausto Nilo que eu não conhecia...
    Bom de mais merecer você aqui, mano velho, honraria maior...
    Aproveitei ainda pra dar outra lida na "Pedra Vogal", um do seus meus preferidos, com direito a Líria Porto e tudo...
    A gente se encontra nos bailes da vida, poeta...

    Abraço do interior do meu interior,
    Darrama.

    ResponderExcluir
  37. Penso que é a primeira vez que venho até seu espaço. O que li, aqui é muito interessante. Gostei e vou ser seu seguidor. Seja meu também em:

    www.congulolundo.blogspot.com
    www.minhalmaempoemas.blogspot.com
    www.queriaserselvagem.blogspot.com

    Um abração e tudo de bom.

    ResponderExcluir
  38. José Sousa,
    Sendo a primeira vez, a honra é em dobro, amigo. Seja em casa, aqui, sempre. Estarei visitando-o também, a descobrir o que você prepara em seus espaços. Até já, e volte quando tiver vontade. Espalhemos a boa palavra, nosso sentir e querer pelo mundo. Dividamo-nos aos demais...

    Abraço poético,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  39. Não conhecia. Obrigado por partilhar, e obrigado também pela visita lá no meu blog. Volte sempre. Um abraço.

    ResponderExcluir
  40. RB,
    Sabe aquele sábio ditado? Diga-me com quem tu andas, que eu te direi aondes irás! Pois é, amigo, pelo Assis eu cheguei até você, e, através de quem é bom, só vem coisa boa, e tô sempre no rastro do poeta dos mil e um poemas, que não sou bobo nem nada (só o penteado...)...
    Seja muito bem-vindo a este pequeno jardim de lembranças e homenagens (sic), e volte sempre que quiser...

    Abraço maior,
    Ramúcio.

    ResponderExcluir